Algumas observações sobre a função dos monstros biológicos na nossa metafísica