Antologias, traduções e redefinição dos mapas da cultura – o caso madeirense